Itaúna, 14 de dezembro de 2017

Cadastro

02 de dezembro de 2017 às 07h00 - Atualizado: 09 de dezembro de 2017 às 10h09

Câmara

Presidente com queda para ditador

Márcio Pinto convoca reunião extraordinária pelo WhatsApp, extrapola, xinga Alexandre Campos e não permite resposta do vereador. Conduta é considerada egocên

Em reunião extraordinária, convocada pelo prefeito (veja matéria nesta página), o vereador presidente da Câmara, Márcio Pinto, ocupou a tribuna (desrespeitando o Regimento Interno da Casa, que informa ser a extraordinária específica para debater tema único, conforme alegações de vereadores) para responder ao vereador Alexandre Campos. A resposta do presidente foi em relação à opinião de Alexandre Campos em postagem nas redes sociais, em assunto diverso do tema da extraordinária, que foi convocada para votar remanejamento no orçamento. Na postagem, Campos teria criticado o presidente, por o mesmo ter cargos na prefeitura e na própria Câmara que administra.
Márcio Pinto se dirigiu ao vereador, respondendo-o na tribuna e encerrou a reunião sem dar chances de defesa ao vereador, não sem antes ameaçar Alexandre Campos de acionar a comissão de ética, se este não comprovar que o presidente tem cargos indicados na Prefeitura. Disse que “não é assim que funciona”, quando Alexandre quis responder, afirmou “não cabe questão de ordem na reunião extraordinária”, negando-se até mesmo a colocar em questão o pedido de ipsis literis de sua fala, feito pelo ofendido. Alexandre Campos questionou o presidente, aos gritos, pois o mesmo encerrou a reunião logo após o seu pronunciamento. Questionou também o procurador da Câmara, dizendo que este era funcionário da Casa e não do presidente.
Os outros quinze edis se mostraram contrariados com a postura do presidente. Antônio de Miranda afirmou que se tratava de falta de ética, a postura do presidente. Márcio Pinto fez seu discurso, encerrou a reunião e deixou o plenário, em atitude vista como ditatorial, grosseira e antiética.
Já na reunião ordinária da terça-feira, dia 21, o mesmo foi questionado por sua postura, quando fez leitura no plenário, de denúncia contra Márcia Cristina (que seria oposicionista), sem avisá-la, tendo agido de maneira diferente quando se tratava de Iago “Pranchana” (considerado situacionista). Nos bastidores a reação negativa foi geral. Outra observação feita por alguns vereadores foi a de que o vídeo da reunião só foi disponibilizado no YouTube na tarde de ontem, sexta-feira, dia 1º de dezembro. Também chegou à redação informações de que o presidente já teria feito retaliação indireta ao vereador Alexandre usando do seu poder na Câmara.