Itaúna, 17 de fevereiro de 2018

Cadastro

10 de fevereiro de 2018 às 07h00 - Atualizado: 10 de fevereiro de 2018 às 10h50

Crise

Prefeitura deve muito, mas gasta R$ 1 milhão com festas

Somente com o Carnaval, gastos são superiores a meio milhão só em contratações

No mínimo incoerente a postura da administração municipal quando se trata da área econômica. Num momento em que ela aponta a queda na arrecadação, o atraso nos repasses do Governo do Estado e a necessidade de economia, inclusive com decreto cobrando economia, até mesmo de cafezinho, realiza pregões para gastar com festas de mais de R$ 1 milhão. Em 7 pregões para aquisição de balões, contratação de seguranças e até box para exploração de propaganda na avenida, a soma chega a R$ 1.040.827,00.
Os valores e os objetos dos pregões são os seguintes: balões para ornamentação de festas, em 15 itens para cores diferentes, um total de R$ 10.452,40. Contratação de box visual para exposição de propagandas na avenida, R$ 61 mil; aluguel de palco, R$ 27 mil; contratação de equipe de apoio, brigadistas e segurança, em três itens, com valores de R$ 102.480,00, R$ 20.388,00 e R$ 14.995,00. Para a locação de tendas e barracas, dois processos nos valores de R$ 279.200,00 e R$ 48.000,00. E, finalmente, contratação de sonorização, em valor total de R$ 170.300.
Os valores, se distribuídos ao longo do ano, com despesas a cada mês, dá um mínimo de R$ 86 mil por mês, com festas. Há que se ressaltar que as festas/eventos promovidas pela Prefeitura, ao longo do ano, para o público, não chegam à meia dúzia (carnaval, arraial das creches, desfile de 7 de Setembro e Natal). Informações não oficiais são de que somente com o carnaval o gasto ultrapassará, facilmente, meio milhão de reais, somente com a estrutura, sem contar todos os demais gastos como horas de serviço, máquinas, veículos, equipamentos, etc.
E um item que causa bastante estranheza é à contratação de box para exibição de propagandas visuais na avenida: R$ 61 mil. Primeiro, que não é objetivo da Prefeitura vender espaço publicitário e, segundo, que dificilmente será faturado valor que compense a contratação. Tentamos verificar o montante arrecadado, mas não obtivemos sucesso até o fechamento da edição.