Itaúna, 22 de julho de 2018

Cadastro

12 de maio de 2018 às 07h00 - Atualizado: 12 de maio de 2018 às 09h57

Onze pessoas são atendidas por dia pelo Samu em Itaúna

Casos de emergência, com riscos de morte, tiveram média de 2 pessoas/dia

Em levantamento da Assessoria de Comunicação do SAMU, encaminhada à reportagem, os números apresentam um alto índice de atendimentos por este serviço no município em 11 meses de atendimento, iniciado em 7 de junho de 2017. Foram feitos 3.680 atendimentos, no total, o que dá média de 11,15 atendimentos/dia. Destes, 1909 atendimentos foram do público masculino e 1771 do público feminino.
O número que mais se destaca neste relatório é o de atendimentos por emergência, isto é, com risco de morte e necessidade de socorro imediato. Foi registrada a média de 3 atendimentos nesta situação a cada dois dias. Em 11 meses, o registro é de 586 casos de emergência atendidos pelo SAMU em Itaúna. Casos de necessidade de atendimento urgente, porém, sem risco iminente de morte, tem registro de 2.790 em 11 meses, com média de 8 por dia. Os casos mais simples, codificados como de pouca urgência, foram 304.
Outro número que se destaca é o de atendimentos por causas traumáticas (vítimas de acidentes, por exemplo), que chega a 5 casos a cada dois dias. Para atendimentos de causas clínicas, como infarto chegam a 15 casos a cada dois dias. O relatório também apresenta as idades das vítimas, sendo que os idosos, acima de 60 anos, são maioria.

Prefeitura colocou repasses em dia na quinta-feira

O atendimento feito pelo SAMU é custeado por meio de um consórcio, o CIS-URG, que se mantém com os recursos repassados pelos municípios participantes, que contribuem com R$ 0,40/mês por habitante, além de uma parcela repassada pelo Governo do Estado. Em assembleia realizada no dia 7 de maio, a direção do CIS-URG apresentou a necessidade de alguns municípios quitarem os débitos com os repasses, já que vários deles estavam com o pagamento atrasado. Itaúna repassa cerca de R$ 36 mil/mês ao consórcio.
Curiosamente, após o jornal buscar informações sobre a possibilidade de atraso nos repasses de Itaúna, a Prefeitura quitou seus débitos com o CIS-URG, na quinta-feira, 10. Outro problema nesta situação, pois a FOLHA apurou que o CIS-URG está sem a Certidão Negativa necessária para que a Prefeitura pudesse fazer o pagamento. Desta forma, o pagamento pode ter ocorrido de forma irregular. Na assembleia a informação era de que o Estado também estava atrasado com duas parcelas, de cerca de R$ 2 milhões cada. Itaúna pagou, para cada atendimento realizado no período de 11 meses, R$ 107, totalizando quase R$ 400 mil em repasses, no período.