Itaúna, 16 de dezembro de 2017

Cadastro

15 de abril de 2017 às 07h00 - Atualizado: 29 de abril de 2017 às 10h22

Márcio Pinto “perdido” na condução da Câmara

Pedido de vistas gera polêmica e atitude do presidente pode ser questionada com mandado de segurança

Na votação de projeto de iniciativa do prefeito, que pede a ratificação das contas relativas ao Carnaval deste ano, o presidente da Câmara deu o voto de minerva, ao final, aprovando-o por 8 votos a 7. Porém, na discussão da proposta o presidente, Márcio Pinto, se perdeu em vários momentos, quando não aceitou pedidos de vereadores da oposição, como o do vereador Antônio de Miranda que desejava a suspensão da votação. Visivelmente nervoso, Márcio Pinto se contradisse nas decisões e necessitou de ajuda da assessoria jurídica em várias oportunidades, que também agiu politicamente em suas interpretações.
Por esses motivos teve de ouvir de vereadores várias manifestações de descontentamento, o que amplia o sentimento de descontrole que tem sido notado nas últimas reuniões. O vereador Alexandre Campos, da base do prefeito, chegou inclusive a comentar sobre o que ele entende como “pressão desenfreada para a aprovação desse projeto”. Momento em que alertou com o dito popular “onde há fumaça, há fogo” e disse ainda que, “se o prefeito está certo de suas atitudes, por que busca a confirmação de seus atos?”. Ainda na sua fala, Alexandre disse que votava contra o projeto porque, “assim como o promotor, entendo que o Carnaval foi particular e, infelizmente, não deu oportunidade ao povo de participar, só aqueles que tinham condições financeiras”.
A reportagem apurou por fontes extraoficiais que, na segunda-feira os vereadores de oposição devem entrar com um mandado de segurança pedindo a anulação da votação, por descumprimento do Regimento Interno da Câmara, devido às atitudes do presidente do Legislativo.