Itaúna, 21 de fevereiro de 2019

Cadastro

02 de fevereiro de 2019 às 07h00 - Atualizado: 02 de fevereiro de 2019 às 10h57

SITUAÇÃO SOB CONTROLE

Itatiaiuçu tem 30 barragens e Itaúna 10

As informações técnicas demonstram que não há riscos para os itaunenses

Imagem aérea da área de mineração da Serra do Minério mostra que tanto o Rio São João quanto a Barragem do Benfica (no alto, à esquerda) est&ati

A imprensa da capital tem divulgado informações da existência de 30 barragens no município de Itatiaiuçu e 10 empreendimentos do tipo em Itaúna. Com o rompimento da barragem de Brumadinho, com dezenas de mortes já constatadas, o medo chega aos lares itaunenses, ampliado com as muitas postagens nas redes sociais. A FOLHA buscou informações técnicas sobre essas barragens para esclarecer a população e evitar a ocorrência de informações falsas (fake news) que infelizmente acontecem e que podem causar pânico. Realmente existem essas barragens nas duas cidades, porém, a informação deve ser mais bem detalhada.
As barragens são classificadas em três estágios (Classes I, II e III), dependendo de critérios que levam a esta classificação. Nos casos das barragens de Classe I, estas têm baixo potencial de dano ambiental. As barragens de Classe II têm médio potencial e as de Classe III, alto potencial. Das 40 barragens instaladas nas duas cidades, 11 são de Classe I. As de Classe II chegam ao total de 22 empreendimentos. Classificadas como Classe III, são 7 (uma em Itaúna e 6 em Itatiaiuçu).
A informação que a reportagem conseguiu é de que nenhuma delas, até mesmo as que estão no município de Itaúna colocaria em risco a área urbana itaunense. Dos 10 empreendimentos registrados em Itaúna, 8 são diques, registrados em nome da MBL e 2 da Ferrominas. Apenas 1 dos empreendimentos se trata de barragem de rejeitos, de propriedade da MBL, mas que ainda não foi utilizada, apenas construída a estrutura. Ainda sobre os empreendimentos da MBL, os demais diques são barramentos de contenção de enxurrada, por exemplo, como explicou um técnico da empresa, sem que ocorra deposição de rejeitos nestes locais. Outro detalhe é que os 10 empreendimentos têm estabilidade garantida, conforme registros da FEAM.
Outra informação (veja mapa) obtida pela reportagem é que os empreendimentos minerários estão localizados na região conhecida como Serra do Minério, e que em caso de rompimento os maciços escorreriam para o lado contrário ao de Itaúna, inclusive sem riscos de alcançar o Rio São João, o que desmente postagens feitas nas redes sociais nos últimos dias. A reportagem acompanhou entrevista coletiva dos representantes das mineradoras, na manhã de quinta-feira, em Itatiaiuçu (veja nesta edição) onde os detalhes técnicos foram repassados à imprensa.