Itaúna, 18 de dezembro de 2018

Cadastro

01 de dezembro de 2018 às 07h00 - Atualizado: 08 de dezembro de 2018 às 13h20

MESA DA CÂMARA

Eleição pode ser anulada em audiência na quarta-feira

Chapa de oposição recorre à Justiça e, antes de analisar o pedido de tutela de urgência, juiz opta por audiência de conciliação

Deu entrada na 2ª Vara Cível da Comarca de Itaúna ação com pedido de anulação do processo eleitoral da Câmara, que culminou com a eleição de Hudson Bernardes para a Presidência da Mesa Diretora do Legislativo para os próximos dois anos. São autores da ação os vereadores Gláucia Santiago, Márcia Cristina, Otacília Barbosa, Gleison Fernandes, Alex Artur, Antônio de Miranda, Alexandre Campos e Giordane Carvalho, tendo como advogado Rodrigo Amaral Guimarães. Os acusados são Márcio Gonçalves (Hakuna), Hudson Bernardes, Antônio de Faria (Da Lua) e Lacimar Cesário (Três). As argumentações, conforme já publicado na FOLHA, são de que ocorreram vários problemas em todo o processo, a começar da convocação considerada intempestiva, poucas horas antes da realização da reunião, indo até o fato de que foi declarada vencedora a chapa que teve menos votos que o mínimo exigido.
Como o assunto é urgente, o juiz Alex Matoso já determinou a realização de audiência de conciliação para a próxima quarta-feira, dia 5, às 9 horas. Conforme apuramos junto a especialista em Direito, na ocasião uma das proposições de acordo pode ser o cancelamento do pleito ocorrido e a marcação de nova reunião, com nova eleição. “É o caminho mais lógico, que traria menos problemas e acabaria com a questão, economizando embates jurídicos e até mesmo despesas para as partes”, disse um advogado à reportagem. Caso não aconteça acordo nesta audiência, a medida imediata por parte da oposição seria entrar com pedido de liminar, para a suspensão do resultado proclamado, até o julgamento do caso.
Também a concessão desta liminar por parte da Justiça, caso não aconteça o acordo, é vista como bastante provável pelos especialistas ouvidos. O fato é que a eleição ocorreu de forma bastante contestada por um grupo e teve proclamada a vitória de uma chapa que conquistou 8 votos, e derrota da outra, com 9 votos, já que a chapa foi anulada antes da votação. Caso ocorra um acordo, a eleição será anulada na quarta-feira e marcado outro pleito. Caso aconteça o pedido de liminar e este seja aceito, também acontecerá a anulação do resultado. O presidente da Mesa, Márcio Gonçalves (Hakuna), tem afirmado que está confiante na manutenção da sua decisão e que Hudson será empossado na presidência da Mesa para os próximos dois anos.