Itaúna, 18 de agosto de 2017

Cadastro

19 de fevereiro de 2016 às 17h13

Corte de árvore na Jove Soares

No início da Avenida Jove Soares existem (ainda) duas árvores de Pimenta Rosa (Pistácio lentiscus L.). Estas árvores têm aproximadamente 40 anos de vida. Quando bem pequenas, por um acaso, constatei serem de fato Pimenta Rosa. Nunca consegui saber quem as plantou. Cuidei delas, dei duas adubações e uma pequena poda de formação. Cresceram, tornaram-se frondosas, e altamente produtivas, lindas. Pelo menos para mim, embelezavam muito aquele início de Avenida. Naquela época a Prainha era feia, mal cuidada, mal cheirosa, muito diferente da Prainha de hoje. Quando começaram a produzir, incentivei e divulguei o uso dos seus frutos, como excelentes temperos, caros e raros e disponíveis para quem quisesse apanha-los, quando vermelhos e maduros. Muitas pessoas assim fizeram e ainda o fazem. Aí, sem mais nem menos, alguém resolveu podá-Ias. Cortar e podar árvores podem ser uma arte, uma técnica agrícola ou um crime. Quando praticado por quem sabe e por necessidade é um ato plenamente justificável, necessário e tecnicamente correto. O caso que comento é uma barbárie, injustificável, desnecessária, um vandalismo puro e simples. Ato deplorável, que merece o repúdio de todos que têm o mínimo bom senso. As duas árvores de pimenta rosa na Prainha foram depredadas de forma violenta, sem necessidade, amputadas em época errada de forma errada, não sei por quem e por que. Não que eu tenha de ser notificado, de qualquer ato de vandalismo. De fato não tenho nada com isto a não ser o direito de repudiar aquilo que acho errado, simples exercício de cidadania. Sei que infelizmente poucas pessoas conhecem aquelas árvores, seus frutos e suas finalidades. Quem as decepou truculentamente poderia, pelo menos, procurar se informar. Seus frutos são especiarias famosas, largamente utilizada na França, Inglaterra, em todo o Mediterrâneo e praticamente em todos os países, inclusive no Brasil. O consumo de pimenta rosa está há algum tempo fazendo parte da composição de cervejas especiais o que vem aumentado muito o seu consumo. Por ignorância e certamente por desconhecimento, sem qualquer motivo justificável estas duas árvores foram depredadas e pior, supostamente por pessoal da Prefeitura que em princípio deveria cuidar delas. Vandalismo puro, irresponsável, inconsequente, revoltante e sem a mínima justificativa. Chamar aquilo que fizeram de “poda”, é no mínimo desconhecimento, e só se for poda com “ph”. Ato inconsequente, praticado por quem não tem a mínima noção desta prática agrícola. Estas árvores não prejudicavam o trânsito, davam sombra e o mais importante: quem conhecia, seus frutos, quando maduros, os colhiam e usavam como tempero dos mais caros e raros. Por mera curiosidade fui a um supermercado e constatei que 25 gramas da pimenta rosa eram vendidos por R$18,80, ou seja, R$ 752,00 o quilo. Estimo que as duas árvores produziam, em torno de 4 a 5 kg de frutos por ano. Não tenho dúvidas em afirmar que, de todas as árvores existentes nas ruas de ltaúna, elas eram as mais valiosas e importantes. A Prefeitura precisa responsabilizar quem cometeu este vandalismo inconsequente, movido de total ignorância e despreparo. Se foi órgão da própria Prefeitura quem ordenou este brutal ato de ignorância, isto, no meu entender, é agravante e deve ser repudiado e punido, com rigor. Não me enquadro como ecologista de plantão, mas se de fato foi ação do meio ambiente, que me perdoem porque de 1/2 ambiente não chegam nem a 1/3 ou 1/4 ambiente. Aproveito a oportunidade para comunicar a existência de uma categoria de profissional, denominada de Engenheiro Agrônomo, que tem como formação científica o estudo da Fisiologia Vegetal que embasa o manejo de vegetais e podem tirar dúvidas e esclarecer tudo sobre podas, condução de vegetais, enfim tudo relacionado a práticas agrícolas. A EMATER esta aí com técnicos capacitados que podem ser consultados, fornecendo informações técnicas valiosas sobre este e outros assuntos relacionados.
Dinarte Antônio Souza Carmo
Engenheiro Agrônomo MSc