Itaúna, 01 de maio de 2017

Cadastro

28 de maio de 2016 às 08h00

Festa Junina, dá pra ser saudável?

Sim!!! Festa junina se for oferecer alimentos mais saudáveis, é possível! Algumas sugestões são:
Milho cozido: é um prato típico, muitas vezes servido com manteiga, mas se for apenas com pouco sal, é uma boa opção!
Canjica: pode ser feita com leite desnatado e adoçante para forno e fogão, sendo feita assim, não é gordurosa nem rica em açúcares simples.
Amendoim: é calórico, porém muito rico em vitamina E, potássio, magnésio e fibras, é saudável quando consumido em pequenas quantidades. É uma opção melhor que a amêndoa, feita com açúcar.
Pipoca: feita na panela com pouco óleo de boa qualidade (óleo de milho, girassol, azeite ou até mesmo o óleo de coco), e pouco sal, é uma ótima escolha, e é inclusive considerada um alimento integral.
Caldo de feijão: o problema não é o grão do feijão, mas sim as carnes adicionadas. Se for feito com carnes magras, como um lombo, por exemplo, fica leve e saboroso! Pode ainda ser temperado com cebolinha e salsinha que o torna ainda rico em vitamina C. A pimenta pode dar um toque final na condimentação para não ser necessário abusar do sal.
Vinho: é uma bebida típica da época e traz benefícios cardiovasculares, controla o colesterol, e ajuda aquecer nos dias frios.
O grande segredo é ter cuidado com as quantidades! É possível comer muitos alimentos saborosos, com qualidade nutricional, mas moderação é fundamental!

Priscila Lara - Nutricionista clinica e esportiva Educadora em diabetes - CRN - 10850 - Nutrição

Benefícios da atenção plena para a alimentação e controle de peso

A cada dia é mais comum observarmos pessoas comendo em frente à TV, com o celular na mão ou até mesmo lendo. Os aparelhos eletrônicos nos acompanham o tempo todo, de forma que cada vez é mais difícil realizar uma refeição tranquilamente. Poucas pessoas dispõem de tempo para as refeições e se concentram na mesma. Pesquisadores estudam a relação deste fenômeno como um dos responsáveis pelo aumento do peso, sendo que uma mudança de comportamento e o foco ser direcionado para a alimentação poderiam surtir efeitos.
Um estudo piloto com 40 adolescentes em Richmond County, Georgia, mostrou que a formação da consciência na alimentação baseada na atenção plena durante as refeições, incentivou adolescentes a comer de forma mais saudável, e a se exercitar mais.
A intervenção começou com técnicas mais fáceis, como a meditação baseada na consciência da respiração, onde os alunos se concentraram no movimento de seu diafragma como uma maneira de aprender a prestar mais atenção aos seus corpos. As 12 sessões também incluíram o uso de chocolate para aumentar a consciência sobre gosto, sabor e saciedade, explicando como as emoções podem provocar excessos. O estudo foi constituído de um grupo controle no qual os participantes recebiam aula sobre saúde.
A maior parte dos adolescentes estava acima do peso; a maioria tinha maus hábitos alimentares. Cerca de 20% dos participantes relataram que não estavam conscientes do fato de que eles comiam rápido demais ou que se sentiam desconfortáveis após as refeições. Quase 60% relataram um problema de compulsão alimentar.
Adolescentes do grupo de intervenção apresentaram ligeira tendência de queda no seu peso e ao final do estudo estavam consumindo uma dieta saudável – com menos gordura e calorias – e relataram diminuição da fome percebida.

Colunas recentes de Priscila Lara - Nutricionista clinica e esportiva Educadora em diabetes - CRN - 10850 - Nutrição