Itaúna, 22 de outubro de 2018

Cadastro

08 de setembro de 2018 às 07h00 - Atualizado: 29 de setembro de 2018 às 13h08

Coluna Ponto de Vista

DIA EM ITAÚNA - Rede espanhola Dia continua em busca de imóvel para inaugurar loja em Itaúna, sondagem iniciada há pelo menos dois anos. Presente no Brasil desde 2001, o supermercado adotou recentemente uma imagem clean, focando na proximidade, produtos próprios (marca Dia) e preço abaixo da concorrência. Em BH, dá trabalho para grandes redes como o Carrefour Bairro. Próximo a Itaúna, já está presente em Mateus Leme, Pará de Minas, Divinópolis, Carmo do Cajuru, Nova Serrana, Carmópolis de Minas e Oliveira. No país são mais de 1 mil lojas do Dia em São Paulo, Rio Grande do Sul, Minas Gerais, Bahia e Rio de Janeiro, com 8 mil funcionários e 10 Centros de Distribuição. Além do Brasil, a rede está presente na Argentina, China e Portugal.

DIA (2) - Conheci o Dia em 2007, quando residi em São Paulo. A loja que frequentava, no bairro Santa Cecília, era pequena, acanhada, mal iluminada e com escassa variedade de produtos, quase todos da marca Dia. Ano passado voltei a ter contato com a rede na loja do Coração Eucarístico, na capital mineira. Mudou da água para o vinho, pela qualidade e praticidade no atendimento. Me conquistou como cliente. Em Itaúna, os supermercadistas que vivem de salto alto terão de suar e muito a camisa para manter o ritmo diante da concorrência internacional. Viva à livre concorrência!

NOVA GARAGEM - A Viação Itaúna acendeu o sinal verde para a retomada das obras da construção da nova garagem, próximo à Av. São João, no Olímpio Moreira. Tive acesso à planta da obra. A área prevê espaço para até 90 ônibus, com escritório, estruturas de manutenção e lavagem. Sob a responsabilidade de uma empresa de engenharia, a previsão é de que a obra seja concluída até setembro de 2019. A atual garagem é dos anos 1960 e ocupa uma das áreas mais nobres de Itaúna, na Jove Soares com Rua Antônio Corradi.

ARAÚJO - Outra grande rede que mantém os olhos voltados para o mercado emergente de Itaúna, é a belo-horizontina Araújo, como parte da expansão rumo ao interior do estado. Ano passado, a drogaria inaugurou filial em Pará de Minas. A possível abertura de uma loja na cidade causou o maior auê e a rede teve de desmentir boatos de que estaria recebendo currículos na cidade.

LAÇOS HISTÓRICOS E APOIO - Itaúna e Pará de Minas tem uma certa rixa histórica que vem desde os primórdios da fundação dos municípios. Provocação que rende apelidos jocosos aos itaunenses, como siriricas. Brincadeiras à parte, os deputados do município vizinho pouco intervêm pela nossa cidade. Particularmente, até hoje não vi ação alguma. Apesar dos poréns, a vereadora de oposição Otacília Barbosa (PV) pede votos para ex-prefeito de Pará de Minas e candidato Inácio Franco. Otacília diz que Inácio nunca teve apoio direto em Itaúna e manterá o apoio à ele em fidelidade ao partido, onde pleiteia a presidência local. “Ainda esse ano, o Inácio já vai inserir emendas para subvencionar algumas entidades filantropicas em Itaúna”, afirma a edil. Como disse à Otacília, é quebrar um tabu. Itaúna e Pará de Minas são geograficamente próximas, mas social e politicamente muito distantes. O que as une basicamente é a vida noturna.

ESTACIONAMENTO PÚBLICO - Não é ilegal, mas certamente, imoral. Grande empresa que cresceu vertiginosamente na última década, utiliza ruas para estacionar sua frota, retirando espaço para embarque e desembarque próximo à movimentada escola, onde estacionamento é um sério problema. Pais de alunos e vizinhos não estão nada satisfeitos com a situação. Se a empresa cresceu, que se estruture devidamente! Responsabilidade social parece ser um termo desconhecido dos empresários itaunenses. Sugiro à Prefeitura a implantação do Rotativo na Jove Soares.

POLUIÇÃO SONORA - Além das calçadas, a cidade também necessita de regulação para carros de som. O ruído repetitivo das publicidades incomoda, principalmente na região central, onde um mesmo veículo percorre, devagar, um percurso várias vezes ao dia. Outro problema causado é lentidão no trânsito. Ouvido da gente não é penico. Ô canseira!

Colunas recentes de Bruno Freitas - Ponto de vista

Nenhum resultado encontrado