Itaúna, 18 de dezembro de 2018

Cadastro

27 de janeiro de 2018 às 07h00 - Atualizado: 24 de fevereiro de 2018 às 10h05

“B” de Busca

Sue Grafton

Num universo muito masculino, vemos cada dia mais mulheres se aventurando para escrever romances de cunho policial. Cheios de suspense e mistério e cujo personagem principal é um detetive seja da polícia, seja particular, o fato é que hoje temos inúmeros representantes femininos, e para aumentar esse número vem, a bom tempo, fazer fileira com outras grandes do gênero SUE GRAFTON. É uma escritora norte americana, autora de uma série aclamada nos EUA: OS CRIMES DO ALFABETO. Sue Grafton, nos apresenta uma heroína, pois não se trata de um detetive, mas de uma detetive.
Serão escritos livros narrando as aventuras e desventuras da sempre ativa Kinsey Millhome, que são nomeados pelas letras do alfabeto, portanto, aguardem 26 livros, já que o alfabeto inglês tem vinte e seis letras de A a Z.
Assim o primeiro livro da série é “A” DE ALIBI, que já li, o terceiro “C” DE CADÁVER, este que agora nos propomos a falar. Kinsey Millhome é direta e franca, totalmente sem rodeios, seja falando de seus casos, dos outros ou de si mesma, no entanto, para se ter uma boa ideia dessa gracinha melhor é ouvi-la:
“Sou Mulher, 32 anos de idade, autônoma em matéria de profissão. Estudei na Academia de Polícia na casa dos 20 anos e ingressei no Departamento de Polícia de Santa Teresa ao me formar. Agora sequer me lembro como imaginei o que seria este trabalho, antes de aceitá-lo. Devo ter alimentado ideias vagas, idealistas sobre lei e ordem – os caras decentes contra os caras ordinários, com ocasionais comparecimentos à Justiça, quando prestaria depoimento sobre os fatos que ocorreram. Na minha opinião, os caras ordinários iriam todos para a cadeia, e, assim, seria mais seguro para o resto de nós continuar vivendo. Depois de algum tempo, percebi como era ingênua. Fiquei frustrada com as restrições, e não menos porque, naquele tempo, as policiais eram vistas com uma mistura de curiosidade e desdém. Eu não queria passar meus dias defendendo-me de insultos “bem-humorados” nem provando, uma vez ou outra, como era durona. Não estava recebendo um salário que compensasse todas essas mágoas e, por isso, caí fora.”
Essa detetive foi casada duas vezes e é duas vezes divorciada, mora numa garagem convertida em apartamento, um verdadeiro cubículo de 24 metros quadrados, que ela adora.
Naquela manhã após vinte minutos no escritório foi surpreendida com a chegada de Beverly Danziger.
Após rápido exame visual concluiu se tratar de uma mulher na casa dos trinta, baixinha, aparência enérgica, bem-arrumada, cabelos pretos e lustrosos muito lisos dentre outra coisas. Como de costume foi direto ao assunto: “Em que lhe posso ser útil?”
A resposta foi incisiva: “Espero que você consiga localizar o paradeiro de minha irmã.”
Esclarecida que talvez não compensasse contratar uma detetive, porque certamente o gasto poderia superar o que teria a desaparecida de receber no espólio, foi dissuadida de que custasse o que custasse queria mesmo era encerrar o processo de inventário e achar sua irmã apesar dos conflitos passados.
É dessa forma que começa a jornada de Kinsey, uma busca incansável para encontrar Elaine Boldt. Tendo dado uma boa olhada no documento redigido pelos advogados deparou com o endereço de Elaine na Via Marina, havia também um endereço na Flórida e segundo Beverly ela todo ano passava seis meses em Boca.
Foi informada que as tentativas de contato por parte do advogado pelo telefone na Flórida não resultaram em nada, muito embora, o contato tivesse sido respondido pela amiga que estava hospedada com ela, mas Elaine nunca retornara as chamadas.
De sua residência aqui pouco se sabe, apenas que Tillie a síndica do prédio daqui, sempre lhe enviava a correspondência e que eram respondidos por carta com intervalos de quinze dias, mas que está sem notícias desde março.
Este é um daqueles romances de caça de gato e rato, quando se pensa que chegamos ao fim aí é que está começando. Você vai se divertir com as trapalhadas dessa detetive, mas também vai se surpreender com a tenacidade de alguém que é apaixonada pelo que faz.
Meu amigo leitor, leia, não é esse livro o seu livro de estreia, se fosse, ainda, assim não deveria nada ao que foi.

Colunas recentes de Cláudio Lisyas - Literatura